O que acontece na comunidade judaica de Santa Catarina passa por aqui. Ações, projetos, celebrações, cultura, espiritualidade e muito mais!

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Newsletter Conib - 25-05-11

Conib destaca
Quarta-feira, 25 de Maio de 2011
Por Celia Bensadon
Textos e manchetes da mídia nacional e estrangeira
Para informar nossos ativistas comunitários

1. “Riso e preconceito”


Pelo menos dois colunistas chamaram a atenção para o fato. "Já virou moda", escreveu André Barcinski, "o artista ou celebridade falar uma besteira em entrevistas, no Twitter ou no Facebook, e depois voltar para se desculpar". O seu colega da Folha de S.Paulo Marcelo Coelho explica: "Ser politicamente incorreto, no Brasil de hoje, é motivo de orgulho. Todo pateta com pretensões à originalidade e à ironia toma a iniciativa de se dizer 'incorreto' — e com isso se vê autorizado a abrir seu destampatório contra as mulheres, os gays, os negros, os índios e quem mais ele conseguir." Isso veio a propósito das declarações do diretor Lars Von Trier, que em Cannes se confessou simpatizante de Hitler e admitiu ser nazista. Diante dos protestos, correu para se justificar. "Me arrependo. Foi uma brincadeira estúpida." Outro artista do programa "CQC", Danilo Gentili, preferiu apontar para as vítimas do Holocausto. Comentando o abaixo-assinado contra uma estação de metrô, tuitou: "Entendo os velhos de Higienópolis temerem o metrô. A última vez que eles chegaram perto de um vagão foram parar em Auschwitz" (no bairro moram muitos judeus). A exemplo de Rafinha, Gentili arrependeu-se e foi à Confederação Israelita do Brasil se desculpar. Será que não se pode fazer piada com temas polêmicos? O problema é que quando ofende, em vez de fazer rir, o politicamente incorreto é tão sem graça quanto o seu contrário. As desculpas atenuam a agressão, mas não escondem a discriminação que se disfarça atrás do falso humor. Nesses atos falhos, o autor deixa escapar inconscientemente a manifestação do que está reprimido: o preconceito (Por Zuenir Ventura, O Globo).

Newsletter Conib - 24-05-11

Conib destaca
Terça-feira, 24 de Maio de 2011
Por Celia Bensadon
Textos e manchetes da mídia nacional e estrangeira
Para informar nossos ativistas comunitários

1. Netanyahu descarta retorno de Israel para as fronteiras de 1967


O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, reafirmou que seu país não pode voltar para as fronteiras que tinha antes da Guerra dos Seis Dias de 1967. Netanyahu reiterou que estas fronteiras são “indefensáveis”. “Quero garantir uma coisa, a paz deve deixar Israel seguro e este Israel não pode regressar às fronteiras indefensáveis de 1967”, destacou Netanyahu ao falar ao Congresso Anual do American Israel Public Affairs Committee (Aipac), o principal grupo de influência pró-israelense nos Estados Unidos, com cerca de 100 mil membros. O líder israelense também declarou que a paz entre israelenses e os palestinos só virá quando estes reconhecerem o direito de Israel existir (O Globo). Leia mais em:
Premiê de Israel volta a rejeitar plano de Obama, mas elogia EUA (Folha de S.Paulo);
Moussa: Israel 'not serious' about peace negotiations
Hamás: Los palestinos no deberían aceptar las fronteras del 67

domingo, 22 de maio de 2011

Globo News vai exibir reportagem especial sobre a "Marcha da Vida" deste ano. No 29 de maio às 20:30 hs.

A Globo News vai exibir reportagem especial sobre a "Marcha da Vida" no domingo (dia 29 de maio), às 20:30h. O programa terá meia hora de duração e será apresentado pela jornalista Leila Sterenberg, que acompanhou a delegação brasileira: "Estamos caprichando. Tomara que fique bonito", afirma ela.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Newsletter Conib - 20-05-11

Conib destaca
Sexta-feira, 20 de Maio de 2011
Por Celia Bensadon
Textos e manchetes da mídia nacional e estrangeira
Para informar nossos ativistas comunitários

1. Comunidade judaica critica proposta de Marta Suplicy que permite ofensas a minorias em cultos


Entidades da comunidade judaica criticaram a proposta da senadora Marta Suplicy (PT-SP) que altera a Lei Afonso Arinos e abre brecha para permitir que religiosos possam ofender homossexuais durante os cultos. Marta é relatora do projeto que prevê criminalização da homofobia. A petista incluiu a proposta no artigo 20 da lei, que penaliza quem pratica a discriminação e incita o preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional (estrangeiros). Segundo o texto proposto pela senadora, manifestações em cultos não poderiam ser enquadradas como crime de preconceito racial, religioso ou mesmo sexual. O advogado criminalista Octavio Aronis, que trabalha de forma voluntária para a Federação Israelita Paulista e a Confederação Israelita do Brasil (Conib) foi duro nas críticas e afirmou que a emenda de Marta joga no lixo a Lei Afonso Arinos. “Essa modificação não faz o menor sentido e vai abrir precedentes porque é muito difícil julgar o que é manifestação pacífica de pensamento. Vai abrir margem para qualquer coisa. Imagine nos tribunais: não, foi uma manifestação pacífica, não quis ofender e nem acusar ninguém! É rasgar a lei, que é espetacular no combate aos crimes raciais e invejada em outros países. E altera o artigo 20, que é o artigo capital, o mais importante, que se permite trazer a materialidade do crime - afirmou Octavio Aronis, que citou o exemplo dos próprios judeus. O rabino Michel Schlesinger, da Congregação Israelita Paulista (CIP), afirmou que a liberdade de expressão não pode ser absoluta e também questionou a proposta da senadora. “É preciso tomar cuidado. Sermões e pregações contra homossexuais, judeus, nordestinos... É péssimo, é terrível. É um desafio velho: fomentar a liberdade de expressão e colocar limite. Acho prudente que a senadora repense a inclusão dessa emenda – concluiu o rabino (Por Evandro Éboli, O Globo). Leia mais em:
Judeus: emenda estimula preconceito

2. Netanyahu para Obama: “Não varra os problemas para debaixo do tapete”


O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse que vai levar para a reunião com o presidente Barak Obama as “principais questões” do conflito israelo-palestino e advertiu: “O que não pode acontecer é varrer a sujeira para debaixo do tapete”. “Às vezes ser correto também significa ser inteligente”, disse ele, trocando a frase que diz que às vezes “é melhor ser inteligente do que estar certo”. A caminho de Washington no avião que levou o primeiro-ministro, um funcionário israelense disse que o discurso de Obama mostrou que o presidente americano não compreende a real extensão do conflito. Netanyahu pretende expor os pontos de vista de Israel no encontro de hoje com Obama e no discurso que fará no Congresso americano (Por Herb Keinon, The Jerusalém Post). Leia mais em:
Obama e Netanyahu têm encontro decisivo na Casa Branca
Discurso de Obama aumenta pressão sobre Netanyahu
Obama Mideast speech shows disconnect from Israel's reality, senior official says
Netanyahu associate: Obama detached from reality

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Newsletter Conib - 18-05-11

Conib destaca
Quarta-feira, 18 de Maio de 2011
Por Celia Bensadon
Textos e manchetes da mídia nacional e estrangeira
Para informar nossos ativistas comunitários

1. Paz no Oriente Médio é crucial, diz Obama ao lado do rei da Jordânia


O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que é "mais vital do que nunca" neste momento trabalhar pela retomada do processo de paz entre israelenses e palestinos mesmo que levantes políticos aconteçam em boa parte do Oriente Médio. As declarações foram feitas depois de um encontro com o rei Abdullah 2º, da Jordânia. Obama se comprometeu a continuar pressionando por uma solução para o conflito, apesar de não ter conseguido resolver o impasse. O presidente pretende fazer amanhã um grande discurso sobre a "Primavera Árabe" e a nova política dos Estados Unidos para o Oriente Médio. Na sexta-feira, Obama receberá na Casa Branca o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu (Por Matt Spetalnick, Reuters). Leia mais em:
“Bibi and Barack” (Por Thomas Friedman)
President Obama and the Arab Spring
Obama's Arab-Israeli Options
On eve of Netanyahu visit and AIPAC conference, Obama and Bibi appear on same page

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Newsletter Conib - 16-05-11


Conib destaca
Segunda-feira, 16 de Maio de 2011
Por Celia Bensadon
Textos e manchetes da mídia nacional e estrangeira
Para informar nossos ativistas comunitários

1. “Somos menores que a China e os EUA”, diz Patriota

O chanceler Antonio Patriota disse que o Brasil cresceu, mas ainda precisa superar muitos desafios no cenário internacional. Em entrevista à revista Época, Patriota anunciou que irá a Washington no fim do mês para dar continuidade a acordos feitos durante a visita do presidente Barak Obama e reafirmou a determinação do governo brasileiro na luta em defesa dos direitos humanos. “Mesmo no governo anterior foram feitos esforços para que pessoas presas no Irã fossem soltas – com êxito. Tentamos ter um padrão de comportamento coerente. Queremos para os outros o que queremos para nós”, disse ele sobre o endosso do Brasil na votação na ONU que aprovou o envio de um relator especial para investigar a situação de direitos humanos no Irã (Por Isabel Clemente e Leandro Loyola, Época).

2. Israel recorre à ONU contra violação de fronteiras


A delegação israelense na ONU anunciou que vai apresentar queixa ao Conselho de Segurança da ONU contra a Síria e o Líbano por violação das fronteiras de Israel nos conflitos de domingo pelo dia de Nakba. Segundo informou a rádio do exército, as manifestações violaram o direito internacional sobre fronteiras. A delegação libanesa na ONU também anunciou que apresentará queixa contra Israel depois que o exército libanês acusou as forças israelenses de serem responsáveis pelas mortes nos conflitos (Haaretz). Leia mais em:
Israel to file UNSC complaint against Syria, Lebanon
ONU pede calma na fronteira entre Líbano e Israel
Egyptian police fire tear gas, live ammunition at pro-Palestinian rally outside Israel Embassy

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Boletim Informativo da Confederação Israelita do Brasil | 13/05/2011


Mensagem de Dia da Independência de Israel
Há exatos 63 anos, no dia 14 de maio de 1948, um sonho milenar se tornou realidade. O Estado de Israel ganhou sua independência, o que permitiu ao povo judeu voltar a ter seu lar nacional, depois de séculos de um exílio forçado.
Passadas apenas seis décadas, Israel construiu uma democracia vibrante e uma economia dinâmica, apesar das permanentes ameaças de destruição lançadas por vizinhos que se recusam a aceitar o direito judaico a ter seu próprio país e se incomodam com a introdução da democracia no Oriente Médio.
Hoje, Israel apresenta ao mundo sua democracia, seu respeito a liberdades individuais e suas incessantes inovações tecnológicas. Nós, judeus do Brasil, orgulhamo-nos do país que representa para nós uma valiosa referência histórica, cultural e religiosa.
Parabéns a Israel e ao povo israelense por terem construído tanto, em tão pouco tempo e em condições tão adversas.

Claudio Luiz Lottenberg
Presidente da Confederação Israelita do Brasil

Campanha online faz humorista retratar-se por comentário ofensivo aos judeus 
Na última quinta-feira (13/05), uma onda de comentários com teor antissemita invadiu a internet brasileira. Era uma reação ao movimento de moradores do bairro paulistano de Higienópolis para impedir a abertura de mais uma estação do Metrô na região. Como o bairro possui grande quantidade de moradores judeus, estes passaram a ser acusados de estarem à frente do movimento, por seu caráter supostamente elitista.

Como parte de seu trabalho diário no combate ao antissemitismo na internet, o projeto Israel na Web, apoiado pela CONIB, monitorou e alertou durante todo o dia a comunidade e as instituições judaicas para o que estava ocorrendo. No meio da tarde, um comentário no Twitter feito pelo humorista Danilo Gentili destacou-se dos demais: "Entendo os velhos de Higienópolis temerem o metrô. A última vez que chegaram perto de um vagão foram parar em Auschwitz."
A virulência do comentário e a notoriedade do autor (estrela do programa CQC, da Band, com 1,5 milhão de seguidores no Twitter) fez com que o projeto Israel na Web iniciasse imediatamente uma campanha de protesto (http://on.fb.me/kdpFO5) contra o desrespeito de Danilo Gentili à comunidade judaica paulistana e, principalmente, aos 1,5 milhão de mortos em Auschwitz.
Através de sua página no Facebook (http://facebook.com/webisrael), o projeto convidou todos os indignados com o comentário do humorista a enviar críticas a ele em seu perfil no Twitter, utilizando a marcação #calabocadanilo. Em poucas horas, centenas de pessoas em todo o país (judeus e não-judeus) já estavam participando da campanha. Segundo o serviço de monitoramento TweetReach, 12 horas após o início da campanha, os comentários com a marcação #calabocadanilo já haviam sido visualizados 68 mil vezes, por 38 mil usuários do Twitter. E a cada minuto chegam mais (http://bit.ly/ifbneu).
Ainda na tarde de quinta-feira, o humorista, ciente da reação desencadeada, decidiu remover seu comentário ofensivo. No fim da noite, publicou duas notas se desculpando pelo ocorrido, fato noticiado em veículos como o Estadão (http://bit.ly/iCQMrg), que destacaram a participação dos internautas na campanha iniciada pelo Israel na Web.

Newsletter Conib - 13-05-11

Conib destaca
Sexta-feira, 13 de Maio de 2011
Por Celia Bensadon
Textos e manchetes da mídia nacional e estrangeira
Para informar nossos ativistas comunitários

1. Humorista pede desculpa após piada antissemita causar polêmica na internet


Ao comentar a polêmica sobre a estação, o humorista Danilo Gentili, do programa CQC da TV Bandeirantes, escreveu: "Entendo os velhos de Higienópolis temerem o metrô. A última vez que eles chegaram perto de um vagão foram parar em Auschwitz". Rapidamente, a frase foi "retuitada" por centenas de internautas - e desencadeou críticas com a mesma velocidade. "Vergonhoso uma figura de conhecimento nacional se expor de tal fato!", escreveu Alberto Faria. "Proteste contra a piada sem graça do @danilogentili usando #calabocadanilo", publicou Daniel Landi. O humorista chegou a apagar a mensagem, mas o recuo causou ainda mais repercussão. "Faltou coragem de assumir a idiotice que postou? Não era melhor pedir desculpas?", indagou Léo Veimrober. Gentili não foi o único na internet a fazer ontem comentários antissemitas. O campo de concentração de Auschwitz é um dos maiores símbolos do Holocausto promovido por nazistas contra judeus na Segunda Guerra. Estima-se que mais de um milhão de pessoas tenham sido mortas no local. A equipe jurídica da Federação Israelita de São Paulo informou que já está tomando as devidas medidas para que os posts sejam apagados e os envolvidos punidos pela justiça (Por Gabriel Pinheiro, O Estado de S.Paulo). Leia mais em:

Newsletter Conib - 12-05-11

Conib destaca
Quinta-feira, 12 de Maio de 2011
Por Celia Bensadon
Textos e manchetes da mídia nacional e estrangeira
Para informar nossos ativistas comunitários

1. Obama fará discurso sobre Oriente Médio na próxima semana


O presidente dos EUA, Barack Obama, fará importante discurso sobre planos de ação para o Oriente Médio no início da próxima semana, quando apresentará sua nova estratégia após a morte de Osama Bin Laden e em meio às turbulências no mundo árabe, segundo adiantaram autoridades americanas. Uma questão importante sobre a qual ainda não há posição definida é se Obama, que teve sua imagem global fortalecida com a morte do chefe da Al Qaeda por forças norte-americanas, vai também usar o discurso para apresentar novas propostas para uma retomada do processo de paz entre israelenses e palestinos. Obama, que terá um encontro com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, na Casa Branca no próximo dia 20, estuda a possibilidade de fazer o discurso antes de partir para uma viagem à Europa no início da semana de 22 de maio, disse um funcionário da americano (Por Matt. S. – Reuters). Leia mais em:
President to Renew Muslim Outreach
Obama may preempt PM's speech to US Congress
Obama to lay out new Middle East strategy as early as next week

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Relembrando Moacyr Scliar na FIRS

*por Naamat Pioneiras
05.05.2011
Revestiu-se do maior brilho o Painel que,em homenagem a Moacyr Scliar,a Na'amat Porto Alegre realizou na noite do dia 4 de maio, na FIRS. Foram convidados como palestrantes o Dr. Wremyr Scliar, irmão do homenageado, que,representando a família,falou sobre diversas passagens interessantes da infância e o convívio com os familiares; a Profa. Dra. Maria da Glória Bordini, especialista em literatura, que traçou um panorama muito completo sobre a obra de ficção adulta do escritor; e o Dr. Abrahão Finkelstein, que, em nome dos amigos, discorreu sobre o contato que teve com Moacyr, principalmente, na época dos movimentos juvenis em que eles, adolescentes que eram, sonhavam com um mundo melhor.

Opinião: Frustração e insensatez- Artigo de Osias Wurman-O Globo

Frustração e insensatez
Osias Wurman
Não se conseguiu, até agora, entrever o futuro dos países árabes depois das revoltas, produto da ânsia por mais liberdade e da insurgência contra a corrupção e a tirania..
Há uma certa dose de frustração e vazio, como dramaticamente expressa a juventude egípcia.
Ao mundo árabe faltam líderes populares que possam organizar anseios difusos que permeiam os centros das manifestações.
Procuram, agora, razões que aglutinem as massas para novas investidas coordenadas por um sentimento palpável, seja ele religioso, econômico, libertário ou psicológico.
Enquanto não encontrarem uma liderança para um hipotético pan-arabismo, os povos árabes passarão por agitações e embates sem fim.
Aproveitando-se deste vazio de poder, o terror instalado pelos militantes armados do Hamas, que dominam a Faixa de Gaza, vem promovendo uma perigosa e irresponsável chuva de foguetes e morteiros contra os civis israelenses, no intuito de angariar a simpatia dos insurgentes de plantão.
Enganaram-se, porém, ao imaginar que o governo de Israel iria deixar-se arrastar para uma nova escalada de violência, objetivo perseguido pelos que desejam capitalizar a revolta árabe para a causa do terror fundamentalista.
É difícil imaginar uma nação soberana, possuidora de um dos melhores exércitos do mundo, aceitar tamanho volume de agressões físicas, revidando apenas com represálias pontuais e dirigidas contra os cabeças do terror.
Entrar numa escalada bélica com os palestinos, no momento atual, é a última coisa que o Estado de Israel deseja.
A sociedade israelense, incluídos os vinte por cento de árabes- israelenses, é uma ilha de democracia e liberdade de expressão, cercada por todos os lados de tiranos, monarquias opressoras dos direitos humanos, déspotas e fundamentalistas do terror, vide a matança em andamento, promovida por Assad na Síria.
Impressiona a quantidade de armas infiltradas de onde, em apenas 3 horas, há poucos dias, foram lançados 45 foguetes contra Israel. O total lançado em 2010 pelos palestinos foi de 258 Qassam ou morteiros. Já nos primeiros quatro meses de 2011 caíram mais de 300 petardos nas cidades vizinhas a Faixa de Gaza.
Impossível prever até quando, e como, o governo de Israel poderá manter-se contido. Diante das agressões sofridas, nos últimos dias, que incluem a explosão intencional de um morteiro antitanque num ônibus escolar devidamente sinalizado pela cor amarela.
Diante desta perigosa situação de provocação, o silencio do Conselho de Segurança da ONU e das organizações de direitos humanos, em todos os níveis internacionais, pode ser estimulante aos agressores.
Essa chuva de insensatez poderá provocar, a qualquer momento, uma escalada bélica. Indesejável, e com mais perdas humanas.

Osias Wurman- é jornalista e cônsul-honorário de Israel no RJ owurman@globo.com

Newsletter Conib - 9-05-11

Conib destaca
Segunda-feira, 9 de Maio de 2011
Por Celia Bensadon
Textos e manchetes da mídia nacional e estrangeira
Para informar nossos ativistas comunitários

1. Patriota quer aprofundar diálogo com mundo árabe


Durante visita ao Cairo, o chanceler brasileiro, Antônio Patriota, disse que o País pretende aprofundar o diálogo com o mundo árabe. Ele também pediu apoio à candidatura de José Graziano para a direção-geral da agência da ONU para Agricultura e Alimentação (FAO). Durante a viagem de dois dias, Patriota conversou com o chanceler egípcio, Nabil al-Araby, e com o secretário-geral da Liga dos Estados Árabes, Amr Moussa. Com al-Araby, Patriota reafirmou o interesse do Itamaraty em acompanhar os desdobramentos no Egito pós-Mubarak e manter contato com as novas lideranças locais - o país é o principal destino das exportações brasileiras para a África (Por Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo). 

domingo, 8 de maio de 2011

Boletim Informativo da Confederação Israelita do Brasil | 04/05/2011

Newsletter Conib - 6-05-11

Conib destaca
Sexta-feira, 6 de Maio de 2011
Por Celia Bensadon
Textos e manchetes da mídia nacional e estrangeira
Para informar nossos ativistas comunitários

Cabalat Shabat - 6 de maio - Yom HaZicaron - Yom HaAtzmaut

Novamente, o movimento Hashomer Hatzair junto com a AIC, agitaram o Cabalat Shabat! Esta vez foi para celebrar Yom Haatmaut e Yom Hazicaron. Os madrichim dividiram os presentes em grupos e apresentaram questões bem polêmicas para debater. Depois todos nos juntamos para ver os resultados desse debate, claro que sem chegar a consensos. Valeu a dinâmica de grupo!! todos participaram!!

O Yom Haatzmaut é o Dia da Independência de Israel, que comemora sua declaração de independência no ano 1948. O Yom Haatzmaut é sempre precedido pelo Yom Hazikaron, que lembra a memória dos soldados israelenses e das vítimas do terrorismo no dia 4 de Iyar.


Cabalat Shabat - 29 de abril

O Hashomer Hatzair, junto com a AIC, organizou o Cabalat Shabat do 29 de abril, para lembrar Yom HaShoa.


Esquecer, jamais
...não relembrar o Holocausto significa assassinar as vítimas pela segunda vez; tornar-se cúmplice do inimigo.
Por outro lado, relembrar significa sentir compaixão pelas vítimas de todas as perseguições.
Elie Wiesel, prêmio Nobel da Paz/1986
Um dia de muita tristeza para os judeus de todo o mundo. Assim é marcado o Iom Hashoá v’Hagvurá, o dia da recordação dos heróis e mártires do Holocausto, um dos mais sombrios episódios da história da humanidade, quando seis milhões de judeus – entre muitas outras vítimas – foram exterminados pelos nazistas, durante a Segunda Guerra Mundial.
O Iom Hashoá (Dia da Catástrofe, em hebraico), é celebrado em 27 de Nissan, data oficializada pelo então primeiro-ministro israelense, David Ben Gurion, em 1959. O objetivo é não apenas manter viva a memória das vítimas do nazismo, como também fazer o Holocausto chegar ao conhecimento do mundo e combater todas as atrocidades cometidas em nome do anti-semitismo.

Pessach da AIC



Dia 18 de abril, as 19.30, a comunidade da AIC celebrou o seder de Pessach. Contamos com muitas familias, crianças e o serviço religioso realizado pelo rabino Guershon Kwasniewski, da SIBRA, de Porto Alegre. Este importante evento foi possível pelo apóio da CONIB e da World Union for Progressive Judaism-América Latina, dentro do Programa Alcance.